terça-feira, janeiro 08, 2008

O problema

O problema dos clubes será sempre este, o do pão para a boca.
Querem sempre ser grandes, de vez em quando queixam-se dos árbitros, da grande forma de um jogador adversário, do apoio (ou falta dele) dos adeptos, mas quando têm um problema específico deitam tudo a perder.
Veja-se o Benfica. Viu dois dos seus jogadores dançar o fandango em pleno jogo. Camacho tirou-os. Vieira não gostou e suspendeu-os. Ontem à noite, noticiava-se que Luisão já não estava suspenso!
Por ser melhor jogador que Katsouranis? Ou pelo menos mais influente na equipa? Por ser capitão? Por fazer mais falta? Por não ter chegado atrasado? Pelo atraso ter sido feito pelo grego?
Há opções técnicas e disciplinares. Nunca se será grande quando se trocarem as primeiras em detrimento das segundas.
Claro que nem sempre é fácil. Mas, num balneário, qualquer que seja, isto deve fazer mossa.
Digo eu!
O que vale para o Benfica, vale para os outros.

1 comentário:

undercover disse...

Se formos a ver isto é extremamente injusto para o Katsouranis.
Primeiro porque quem faz a asneira é o Luisão, um defesa em forma nunca na vida precisaria de fazer uma falta daquelas. O jogador do Setúbal está a correr direitinho a ele, só tinha que lhe tirar a bola.
O Luisão é sempre assim, mesmo depois de fazer uma asneira todo o tamanho vai refilar com os colegas.
Naquelas cenas lamentáveis o pior de tudo é ter que ser o David Luiz, que é um rapaz de dezanove anos, a ter que separar dois homens que já são adultos e deviam ter juizo.
No fim castiga-se o Katsouranis e o Luisão passeia-se nos treinos. Se é capitão devia dar o exemplo, se fez cenas daquelas ele é que devia ter o castigo mais pesado. E isto que o Benfica faz é um autêntico tiro no pé, porque o Katsouranis é muito mais importante e indispensável que o Luisão...