quarta-feira, novembro 28, 2007

Leituras

Um dos futuros cunhados gozava comigo, por causa da lista de livros, aqui no lado direito.
Fazia ele um boneco meu, agarrado ao livro enquanto pagava, dando a noção de o já ter lido, enquanto o pagava.
Nada mais longe da verdade.
Na realidade sinto-me nú sem um livro. Dificilmente me apanham na fila de um banco, nas finanças ou na Segurança Social sem algo para ler. Seja jornal ou livro. Estamos, em Portugal, no reino do analfabetismo funcional.
Toda a gente sabe ler, mas poucos o praticam. Assim, como o acto de governar. Pode parecer que leio muito, talvez. Mas, em contrapartida, pouca tv vejo. Das 21h à 1h da manhã, por norma, estou no quarto, com alguns livros em cima da cama ou ao meu lado.
Ler é para mim uma aventura. Uma forma de crescer. De aprender. De viajar. De apreender técnicas. De apreender uma boa história (às vezes). De esquecer o que está à minha volta.
Adoro filmes, dvds, séries de tv. Mas não os troco por um bom livro. Há que prioritizar.

3 comentários:

zarah disse...

yes! :)

_JaNóTaS_ disse...

assim é que é!

Anónimo disse...

Por falar em "prioritização"...
Acho que o Tiagão se daria bem aqui no Brasil, já que ele gosta de ler em filas. Estaria no paraíso, pois o Brasil é o país das filas (para não dizer das bichas porque aí pegaria mal por aqui). Tem fila até nos aniversários (a fila do bolo, dos cachorros quentes, dos doces), filas para todos os gostos, em caracol, em zig zag, com senha ou indiana. Nos bancos então tem filas e sub filas, você entra na fila para pegar uma senha para outra fila, ou seja, nesses casos é bom levar mais que um livro ou então um daqueles bem extensos. E as filas nos cinemas? Essas são boas também para, quem sabe, ler uma boa revista para descontrair, e nas filas dos caixas de supermercado pode-se ler talvez um romance de bolso, já nas filas dos ônibus um jornal de esportes cai bem, sempre tem alguém para te emprestar um e depois você deve passar adiante. Já dentro do mesmo ônibus, mas agora na fila dos carros, bom aí a leitura pode ser mais densa, uma apostila do curso por exemplo, porque assim as pessoas não costumam puxar assunto, se for outro tipo de leitura podem querer ler por sobre seus ombros (particularmente eu detesto isso, aquele bafo quente desconhecido no pescoço). Nas filas das repartições públicas, bom, nesse caso seria necessário uma trilogia, no mínimo.
Tiagão, venha nos visitar.

Beijão da prima Renata.